Wednesday, July 16, 2008

Conferência na Califórnia...


Olá! Quanto tempo. Já faz mais de quatro meses desde que escrevi o último post. E pra piorar, a seqüência cronológica do blog está atrasada em mais de um ano! Eu sei, eu sei... Gostaria de poder escrever com mais freqüência. Fotos e idéias não faltam. Aliás, nosso estoque de fotos tem crescido exponencialmente! (Aí foi o toque nerd do post de hoje.)

Como diria meu pai: “o trem aqui te feio!” 2007-2008 foi o ano acadêmico mais corrido do doutorado até agora. Mas acredito que este último ano ainda vai superar, afinal eu escrever, escrever e escrever. Não! Não estou falando do blog, mas sim da tese. Senão não voltamos pro Brasil. Mas, sabia que esta correria ajuda a aliviar a saudade? Quando a rotina fica bem ocupada mesmo é que lembramos dos nossos dias em São Paulo. Mas, graças a Deus, está tudo indo muito bem.

A Lilian continua trabalhando firme (ou futebor? – essa é para o pai Jéder) aqui na faculdade e está fazendo o melhor cappuccino da região. De vez em quando ela vem com um papo de comprar uma máquina de café expresso para casa, pode!?

Mas vamos ao que interessa: ao post do dia (ou seria este o post do quadrimestre?). Logo depois que o Leo voltou para o Brasil, em junho de 2007, eu fui para uma conferência em San Diego nos EUA. A Lilian não foi desta vez, mas ficou mamando com o André e a Graça, sozinhos, por uma semana em Londres. Até hoje não me contaram os detalhes que aprontaram nesses dias, mas quando cheguei a casa estava de pernas para o ar! Era serpentina presa no lustre, confetes espalhados atrás do sofá, geladeira e freezer vazios e grandes olheiras me esperando. Um dia ainda descubro o que se passou por aqui. Mas enquanto eles estavam neste clima de festa, eu suponho, lá estava eu nos EUA trabalhando duro o dia todo. Claro que não tirei fotos durante a conferência, não há tempo para essas coisas com tanto trabalho pela frente. Mas consegui tirar algumas poucas dos raros momentos livres que tivemos. Você vai ver.

A conferência foi em um hotel na baía de San Diego cujo nome é bem sugestivo: Paradise Point Hotel. Trata-se de um daqueles resorts americanos bem artificiais, perfeitamente montados e decorados como se fosse um parque de diversões da Disney (bem pra inglês ver mesmo). Não que o lugar não fosse bonito, era sim. Mas um tanto artificial, sem profundidade. Extremamente confortável, mas parecia um cenário de filme. A decoração do hotel foi baseada num paraíso tropical. Flores, bananeiras, palmeiras e coqueiros por todos os lados. Portanto, nada de muito diferente para nós brasileiros. Mas chega de falar do hotel, vamos falar dos pontos altos da viagem.

A baía da San Diego era ótima para velejar. Então, em um belo dia de sol (que coincidiu com umas daquelas sessões que ninguém queria participar) alguns acadêmicos, que prefiro manter no anonimato, e eu alugamos um veleiro por algumas horas para testar nossas habilidades náuticas. Como um bom engenheiro naval teórico eu fiquei encarregado pelas fotografias. Outros dois marujos foram incumbidos de permanecerem assentados sem atrapalhar muito. Por fim, o restante das atividades foram igualmente distribuídas entre os outros dois homens-do-mar que realmente sabiam o que estavam fazendo.

Em um outro dia fui conhecer o Balboa Park (não, não foi construído em homenagem ao Rocky) que é um parque muito bonito no centro de San Diego, perto do zoológico, com uma bela vista da cidade. Achei muito interessante uma concha acústica para concertos de órgão ao ar livre. (Lá também tem um museu aeronáutico onde foi o banquete da conferência.) Infelizmente não consegui dar um pulinho em Tijuana, mas nem precisou. Em San Diego se fala mais espanhol que inglês e a quantidade de restaurantes e trabalhadores mexicanos dá vida para a cidade.

San Diego tem um dos maiores e mais famosos zoológicos do mundo. O lugar é muito bem cuidado e a diversidade de animais é fantástica. Num dos últimos dias da conferência lá fui eu visitar meus amigos pandas, coalas e flamingos. Como andei nesse dia! Posso dizer que passei por todas as ruas do zoológico sem deixar nenhuma jaula sem ser visitada. Conheci pelo nome e apelido todos os habitantes do parque. Alguns me receberam muito bem, outros não estavam bons pra papo. Mas nem por isso deixei de tirar mais de uma centena de fotos. No final do dia, esgotado, só queria mesmo banho e cama.

Mas depois destes dias em San Diego, ainda estava com pique para a maior prova de resistência da minha vida. Na volta, comprei um vôo que saia de San Diego e fazia uma longa escala em Loas Angeles antes de voar direto pra Londres. Por longa escala, entenda quase um dia inteiro. Comprei esse vôo de propósito porque queria conhecer LA na passagem. Saí do hotel de madrugadinha (em um daqueles típicos táxis da Califórnia, uma barca dos anos 60 com estofados e carpetes vermelhos) e peguei um bi-motor pipocando até LAX. Cheguei lá ainda de manhã e comecei a jornada pela cidade. O lugar é imenso! Nada é perto de nada! Durante o vôo havia planejado meu roteiro do dia e logo peguei um ônibus, mais uma caminhada, mais um metrô até chegar em Hollywood.

Lá chegando fui tomar um cafezinho e encontrei um boiadeiro com que fui falar... (opa, música errada). Saí direto em Sunset Blvd. Anda pra lá, corre pra cá, flash por todos os lado. Todas aquelas cenas que você vê na televisão estão lá: o teatro, a calçada da fama, Rodeo Drive, o letreiro na montanha, Beverly Hills, etc. Mas fiquei frustrado... Novamente veio aquela sensação cenográfica, tudo parecia meio falso, vazio, sem caráter. Gostei muito, mas não sei se quero voltar lá de novo. Por isso nem fiquei muito tempo. Olhei no mapa e decidi ir para a praia de Santa Mônica, parecia pertinho, uma linha reta (tudo por lá é uma linha reta).

Doce ilusão! Peguei um ônibus e rodei por quilômetros intermináveis. No mapa tudo parece pertinho, mas a escala do lugar é fora da realidade! (ainda mais para os minúsculos padrões europeus). Levei quase duas horas no ônibus (em linha reta) para chegar na praia. Mas quando cheguei, me senti novamente num daqueles seriados americanos: uma praia longa e com muita areia. Um monte daquelas cabines de salva-vidas espalhadas na beira da água. Ao Norte fica Malibu, ao Sul, Venice Beach. Fui para o Sul, andando, na direção do aeroporto.

Foi aí que começou minha maratona. Eu ainda não falei, mas desde que saí do hotel estava carregando uma mochila como bagagem de mão. O detalhe é que o laptop que eu levei pesa 5Kg (sem bateria e fonte de alimentação)! Já havia caminhado a manhã inteira com esse peso nas costas. Pois caminhei mais a tarde toda, toda a extensão de Santa Mônica e Venice, pela areia fofa da praia. Detalhe, eu estava de calças jeans dobrada na canela e carregando o par de tênis amarrado na mochila. (Claro que não vou colocar nenhuma fotos deste momento no blog, zelo por minha reputação.)

Cheguei no aeroporto na hora exata para fazer o check-in. Entrei no avião exausto para um vôo longo de Los Angles à Londres. Só queria que a janta chegasse logo. Nem liguei por estar com a calça molhada de água salgada e com os pés cheios de areia. Talvez o passageiro da poltrona vizinha tenha percebido que eu havia andado o dia inteiro...

Essa foi minha longa semana de trabalho em San Diego. A conferência foi boa, apresentei meu trabalho e fiz bons contatos. Mas o mistério fica no ar: o que será que Lilian, André e Graça estavam aprontando enquanto em estava fora?

Nota: Como neste post não tivemos fotos da Lilian, tive que preencher o espaço com fotos dos meus acompanhantes. Conheça alguns dos habitante do zoológico de San Diego.

San Diego e Los Angeles
10-16/06/2007
EUA








3 comments:

Denise said...

Oi........
Estava tão ansiosa por esse novo post que vou ser a primeira a comentar! Aliás, a reclamar... Como é que vc deixa a gente assim, tanto tempo sem ler suas aventuras? Adorei saber detalhes de sua estada nos EUA, mas agora vê se não demora tanto pra escrever de novo!
Beijos para o casal amado de todos nós.
Mom

Lilian said...

Hahahaha
Pretty funny...
Pode ter certeza que a familia Penna guardara esse segredo para sempre!!!
Bjos

Anonymous said...

hahaha adorei o boiadeiro!!!! ahhahahahha aproveitou bem o congresso!!! haahhaa....e olha só, alguns informantes disseram que nesse dia os Penna comeram tanto em um certo restaurante, que acabaram até lavando pratos e cuidando de carros!!

beijos pra vcs!

Lari